SUPERLATIVO

Considerado o SUV mais rápido do mundo, o Urus é a aposta da Lamborghini para conquistar o disputado mercado mundial de utilitários de luxo

Fotos: Divulgação

Superesportivo e luxuoso, o SUV Urus, da icônica marca italiana Lamborghini, chega ao Brasil em 2018 com números impressionantes. Segundo utilitário esportivo da história da marca, o primeiro foi o LM002, o Urus tem motor 4.0 V8 biturbo de 660 cavalos e 86,7 kgfm. Acelera de 0 a 100 km/h em apenas 3,6 segundos e atinge a velocidade máxima de 305 km/h. A transmissão é automática de 8 marchas e a tração integral sob demanda, podendo transferir até 87% da força para as rodas traseiras e 70% para as rodas da frente.

O Urus conta com um sistema, chamado de ANIMA (alma em italiano), que modifica o comportamento do carro graças a alterações na suspensão, no som do motor, na tração e nas respostas do conjunto mecânico. Com isso, o motorista do SUV pode escolher entre seis modos de condução: Sabbia (para areia), Strada (estrada ou normal), Sport (esportivo), Corsa (circuito), Terra e Neve. Há ainda um sétimo modo personalizável, batizado de EGO, com o qual o motorista faz sua própria seleção.

Quanto às dimensões, o utilitário da Lamborghini compartilha a plataforma com o Audi Q7. São 5,11 metros de comprimento e 3 metros de entre-eixos. A largura passa de 2 metros. O porte avantajado faz com que o peso fique em 2.200 kg. O porta-malas também é generoso, com 616 litros, extensíveis aos 1596 litros. Internamente, o Urus conta com o Virtual Cockpit da Audi, painel multifuncional interativo e, também, um sistema multimídia. Os bancos em couro acomodam confortavelmente quatro pessoas. No lugar do condutor, existem opções como ajuste memorizado e massagem.

[thb_gap height=”30″][thb_gap height=”30″]
[thb_border]
ADQUIRA A REVISTA
[thb_gap height=”18″][/thb_border]
[thb_border]
[/thb_border]
[thb_gap height=”30″]

SORRISO EM DIA

Professor Mestre Luciano Barreiros, Especialidade Cirurgia / Periodontia / Implantes, CROSP 56498,
17 99117.0642 e 3231.0644, São José do Rio Preto/SP

 

 

A relação entre doenças bucais e saúde sistêmica e a importância de um tratamento especializado
A realização inadequada da higiene bucal promove um acúmulo de biofilme bacteriano sobre a superfície dos dentes. Quando não é removido pelo cirurgião dentista, esse biofilme pode provocar uma inflamação na gengiva, conhecida como gengivite, que é caracterizada pelo sangramento gengival quando ocorre o uso de escova de dente e fio dental. Em alguns casos, o sangramento também pode ocorrer com ingestão de alimentos e, mais raramente, espontaneamente.
A gengivite é o estágio inicial da periodontite que, quando não tratada, causa a perda das estruturas de suporte dos dentes (osso alveolar, ligamento periodontal e cemento radicular), causando mobilidade e perda dos mesmos. Geralmente indolor, não é percebida pelo paciente e pode causar sequelas irreversíveis a sustentação e a estética do paciente. Além disso, os avanços na ciência e tecnologia demonstraram uma inter-relação entre doença periodontal e sistêmica, sendo essa relação uma via de mão dupla, na qual a doença periodontal é um fator de risco para várias doenças, como a diabetes melito, doenças cardiovasculares, pulmonares e infecções respiratórias agudas. Por esse motivo, é importante tratar essas doenças bucais com um periodontista, que irá diminuir o risco de sequelas e devolver a saúde dos dentes. O especialista também pode modificar e melhorar a estética do paciente através de enxertos, recobrimentos de raízes expostas, correção definitiva do sorriso gengival e reanatomização de rebordos para receber implantes osseointegrados.

[thb_border]
ADQUIRA A REVISTA
[thb_gap height=”18″][/thb_border]
[thb_border]
[/thb_border]
[thb_gap height=”30″]