PERFUME E SABOR

Excelente companhia para os dias quentes, vinhos feitos com a aromática uva Riesling estão entre os eleitos do Verão.

Dentre as qualidades da uva Riesling, sem dúvida o aroma suavemente adocicado se destaca. O perfume de frutas como nectarina, damasco, maçã e pera atraem o olfato e preparam o paladar para uma bebida leve, elegante e com uma habilidade inigualável de expressar o terroir. A Riesling é uma uva usada na produção de vinhos brancos doces, semi doces e secos. Um dos maiores produtores de vinho Riesling do mundo é a Alemanha, seguida pela Alsácia, região francesa que faz fronteira com as terras germânicas, e pela Áustria. Nos Estados Unidos, a uva foi batizada de Johannesburg Riesling, na Califórnia, e também é muito cultivada no Oregon. No Canadá, os rótulos mais famosos são os doces. Outro país que começa a ganhar esse mercado é a Austrália, que tem melhorado seus vinhos brancos dessa cepa a cada safra.
Os melhores vinhos feitos com a Riesling são os varietais, aqueles feitos apenas com a Riesling, sem a mistura de nenhuma outra variedade.
Sua alta acidez faz com que os rótulos “secos” sejam excelentes acompanhantes para pratos com peixes, frutos do mar, embutidos e carne de porco. Já os rótulos “doces” caem muito bem com sobremesas como tortas e strudel. Tradicionalmente, os Rieslings da Alsácia são secos e carregam a elegãncia e fineza dos franceses sob seus rótulos. Os alemães, por sua vez, produzem uma bebida mais doce. No caso desses rótulos de Riesling mais adocicados, ideais para sobremesa, existem dois processos diferentes de produção.
O primeiro, conhecido como “eiswen” ou vinhos de gelo, ocorre com o congelamento da uva antes da colheita. Nele, a uva permanece vários dias congelada ainda no vinhedo, por conta das baixas temperaturas. Logo após serem colhidos, os cachos passam pelo processo de prensagem, tornando o vinho muito mais concentrado, já que possui menos água. Nesse caso, os melhores exemplares são encontrados no Canadá. O outro processo necessita que o vinicultor utilize o fungo “Botrytis Cinerea” no processo. Esse fungo fura a casca da uva e a desidrata, exaltando os açúcares presentes na sua composição.

Fotos_Divulgação

Não há comentários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

CONTATO

Av. Nadima Damha, nº 2.045
Jardim Yolanda
São José do Rio Preto | SP
17 3305-3721, 3305-3731,
3211-9860, 3235-1821
17 99627-0999 (Whatsapp)
comore@revistainterarq.com.br

Pautas
Sugestões enviar para redacao@comore.com.br